Você está aqui: Página Inicial > Estudantes > Nosso canto > publicações > A MUSA DO ESCRITOR

Geral

A MUSA DO ESCRITOR

CULTURA

publicado: 27/05/2019 14h30 última modificação: 27/05/2019 14h30

MACHADO, OS IRMÃOS GRIMM, OLIVEIRA, OS TRÊS SE BASEARAM EM MUSAS PARA CONTAR UMA HISTÓRIA


 A MUSA DO ESCRITOR 

Quando a conheceu teve sua maior inspiração ao escrever esta história

 

Autor: Julio de Oliveira

Geografia 3°ano

Campus de Campo Mourão.

 

 

Esta é uma crônica que já se teve uma primeira versão, a algum tempo, atrás, lá em 2015, para que nunca seja esquecido, hoje és reescrito, a fim de ficar preso para todo o sempre em nossa memória.

 

SINOPSE:

Em Machadiana, Mari e sua avó trabalham para a família Collet, onde está garota é tratada como uma verdadeira gata borralheira, sem ter sequer alguma regalia. Novas pessoas chegam a esta cidade, um rapagão escritor muito bonito, parecido com Bentinho de Dom Casmurro, tem o nome Bento acompanha sua mãe. A festa de aniversário da mimada Beatrice Collet, está por ocorrer, ironicamente, as circunstâncias fazem com que Mari seja dona da festa, lugar onde nossa versão de Cinderela se apaixona reciprocamente com Bento, que a idealiza como sua musa, a Musa do Escritor. Infeliz pela felicidade, da garota que sempre teve pouco, mas sempre teve muito, Beatrice odeia Mari e quer destruir sua vida pela festa de aniversário roubada, enquanto o amor impera entre Bento e Mari, a ira da maquiavélica Beatrice, desencadeia as tristes realidades de nossa história.

 

Para a Primeira Musa a qual este Escritor se teve em vida, de nossa maneira, foi encantador, obrigado pelos acertos e perdão pelos erros, a fim de nunca ser esquecida, para sempre serás lembrada, está histórica ficará sempre a você, querida Mari Andressa.

 

Capítulo 001 “A Noite de Cinderela”

Machadiana – Interior do Paraná ano de 1999. Noite fria e com uma fina garoa

 

As pessoas da pequena cidade comentam sobre a festa de aniversário de Beatrice, filha do banqueiro da cidade Humberto, que ocorrerá no salão de festas, na mesa do bar de D. Augusta riem e falam de como a garota é mimada. Ezequias, filho de D. Augusta dá detalhes sobre e aniversariante de 15 anos aos amigos de sua mãe.

No alto de Machadiana, reside a família Collet, em uma mansão luxuosa, mora o banqueiro Humberto Collet, com sua esposa excêntrica Fernanda, a filha do casal Beatrice, e uma empregada fiel, Zena e sua neta da mesma idade que Beatrice, a pobre e tímida Mari, garota de uma beleza radiante e cabelos mais escuro do que uma noite sem o brilho da lua.

Eliane reclama a seu filho Bento pela forte neblina da estrada, os dois seguem a Machadiana, e quando chegam na cidade, se hospedam no hotel de Cora, a viúva menciona a hoteleira que decidiu voltar a sua cidade natal, para proteger seu filho.

Beatrice tem um ataque de histeria, e culpa Zena por seu vestido estar amaçado, a garota humilha a empregada, e Fernanda defende a filha.

Mari cuida da avó e diz que logo dará um jeito para que as duas deixam a mansão dos Collet, a senhorinha toda radiante com o amor da sua neta, abraça fortemente e lhe apresenta o vestido perolizado que bordou a ela, apesar de ser simples a garota agradece o presente de sua avó, ao provar o vestido, Beatrice passa pelo corredor, e vê Mari com o vestido.

A “vilã”, diz a si mesma que a neta da empregada não lhe roubara a atenção na sua própria festa de aniversário, quando neta e avó vão a cozinha, Beatrice se aproxima do vestido e derruba um vaso de flores em cima da peça, fazendo com que o vestido fique sujo.

Fernanda e Humberto, comentam um com outro sobre os dois terem pago, convidados “falsos”, para preencher o vazio no salão de festas, já que Beatrice não tem amigos.

Mari chora ao ver seu vestido sujo, ela observa de longe que aniversariante está rindo, as duas se encontram nos corredores da mansão, e discutem, Zena separa a briga.

Beatrice sendo falsa, joga vários vestidos velhos em cima de Mari para que ela escolha e não deixe de ir à festa, sua avó junta pedaços de tecido e começa a costurar um novo vestido na sua antiga máquina de costuras.

Humberto começa a beber em sua própria casa, e parte de carro ao salão de festas, com Fernanda e Beatrice, durante o trajeto o banqueiro passa mal, e acaba tendo fortes enjoos, os três ficam tempo parado na estrada.

Bento reclama para sua mãe que não irá dormir, o garoto deixa o hotel, e perambula pelas ruas da cidade, até chegar no salão de festas, e adentrar ao recinto que está tocando músicas de época.

Mari fica encantada com o vestido preparado por sua avó, a garota de veste e se prepara a festa, ao perceber que Humberto não deu carona a ela, se desespera, mas o motorista da família, Edgar, leva a garota em um carro sedan.

Beatrice bate no próprio pai por estar atrasada a sua própria festa de aniversário, ela diz que nunca o perdoará.

Ao verem o carro sedan chegando, os convidados que não conhecem Beatrice, acreditam que ela é Mari, quando a garota adentra ao salão todo mundo começa a bater palmas a ela, um homem lhe entrega flores, enquanto isso a garota de cabelos escuros, fica sem alguma reação.

A música é interrompida, e começa a tocar uma valsa, os poucos convidados que sabem que na verdade a garota que está recebendo os destaques é Mari, e não Beatrice riem da situação, riem e dizem que será tudo maravilhoso quando Beatrice chegar.

Mari tenta dizer que ela não é Beatrice, nisso ela se esbarra com Bento, é amor à primeira vista, os dois dançam valsa juntos, sorrindo um para o outro, sem ao menos saberem seus nomes, nisso o rapaz rouba um beijo da moça.

 

Capítulo 002 “Depois da festa”

 

Mari empurra Bento, e sai correndo do salão para a rua, quase sendo atropelada, o garoto vai atrás dela que se recusa a falar com ele.

Beatrice chega ao salão e percebe que a festa começou sem ela, os convidados ficam confusos sem entender quem é aniversariante, nisso uma amiga de Fernanda, confirma que todo mundo achou que Mari era Beatrice.

A garota tem um ataque de fúria quebra, vários adereços da decoração do salão, arranca o microfone das mãos do Comunicador, e expulsa todo mundo do salão.

Bento intercepta Mari pelos braços, ela se debate e tenta se soltar, mas ele a segura firme, dizendo querer saber o porquê da reação negativa do beijo.

Humberto tenta entender o que aconteceu, nisso sua filha Beatrice que está chorosa, parte para cima do pai e o estapeia, Fernanda desfere uma bofetada na filha, que cai em choro.

Edgar leva Humberto e a família de volta para a mansão, no meio do trajeto, Beatrice jura a si mesma que acabara com a vida de Mari, se vingando.

Mari e Bento conversam na praça de Machadiana, a garota afirma que não está entendendo o que houve, e assegura para o garoto que não é aniversariante.

Quando chegam à mansão, Zena pergunta de Mari para seus patrões, que seguem para o quarto sem a responder, deixando a empregada aflita.

Bento sorri, disparadamente para Mari, e conta para ela que ele escreve romances e que ela será sua Musa em sua próxima história.

Mari, decide voltar para a casa, e Bento não a deixa ir sozinha os dois caminham juntos na rua, pela madrugada, a jovem de cabelos escuros diz que é neta da empregada da Família Collet, quando chegam próximos a mansão o escritor tenta beijá-la, mas ela entra para o recinto.

Bento volta para o hotel, e assim como Mari, quando chegam conversar com suas responsáveis, dão uma bronca por ficarem sozinhos a noite na rua.

Eliane volta a dormir, e Bento escreve algumas palavras em um pequeno caderno de anotações.

Após ouvir toda a história contada por Mari, a avó Zena se desespera e diz que ela se demitida e expulsa da mansão, assim a empregada fica aflita ao esperar o amanhecer.

Beatrice se olha no espelho do seu quarto, e chorando jura vingança contra Mari.

Bento e Mari, deitados em suas camas distantes, se ligam por pensarem um no outro.

Amanhece, Humberto e Fernanda acordam, os dois olham um para o outro, a esposa loura culpa-o, pelo estrago da festa de 15 de anos da filha do casal, e decidem demitir Zena e expulsar Mari, para fazerem as vontades da filha, porém o banqueiro diz que possui a dívida com as duas.

Mari entra no quarto do casal e comenta a Humberto e Fernanda, todas confusões ocorridas, ela ri, quando a mãe de sua rival afirma ter contratado convidados para esconder que Beatrice tem poucos amigos, Humberto perdoa-a, mas afirma que precisará resolver a situação, para agradar a própria filha.

Ao chegarem a Copa, da mansão, encontram Dandara, mãe de Humberto, que diz que o filho não deve se atrever a demitir Zena, o filho fica dividido, mas sua mãe dá o veredito final da permanência da empregada, que agradece a ajuda da antiga patroa e amiga de vida.

Beatrice é ríspida com todos no café da manhã, não cumprimenta sua avó, e decidida manda Edgar a levar para o Colégio, a fim de enfrentar os comentários maldosos sobre o ocorrido. Enquanto isso, Mari segue o trajeto do colégio a pé, e encontram Bento a esperando no trajeto do Colégio, os dois vão juntos conversando até o portão, quando vão se abraçar e despedir-se um do outro, Beatrice os vê, e brada a todos que sua rival roubou sua festa de aniversário.

 

Capítulo 003 “Garota Mimada”

 

Mari fica envergonhada ao ver que todas as pessoas, olham para ela e apontam o dedo julgando, mas Bento não deixa barato tal situação e acaba defendendo-a, e retrucando Beatrice por considerá-la uma garota mimada.

Cora procura saber detalhes da vida de Eliane, mas a senhora de boa classe, se demonstra receosa, em comentar sobre o seu passado em Curitiba, a forasteira diz que precisa de recomendações a um emprego, e decide se candidatar a vaga de secretária pessoal de Humberto.

Na mansão Collet, Dandara condena a nora Fernanda por mimar demais, a sua neta Beatrice, a matriarca da família diz que esses mimos acabaram comprometendo o futuro da moça, como pessoa, na conversa Zena, se recorda de quando Mari e Beatrice bebês brincavam juntas.

De volta à escola, Bento comunica que irá estudar junto de Mari, a garota de cabelos escuros finalmente começa a ceder às investidas do rapaz, e apresenta a escola para ele, de longe Beatrice maldiz a felicidade de sua rival.

Na saída, Bento espera Mari, no portão do colégio, os dois saem caminhando pela calçada juntos, nesse meio tempo, Edgar vem buscar Beatrice, a garota diz querer aprender dirigir, mas o motorista não a deixa, nisso ela o empurra pro banco de carona e toma o volante, sem ter a mínima noção de dirigir, os dois brigam pelo volante, até que a lourinha acelera e tenta atropelar Mari e Bento que saltam na rua, enquanto Beatrice bate o carro em um poste.

Eliane vai ao banco, e se apresenta a Humberto, os dois começam a conversar, mas são interrompidos quando um funcionário anuncia o acidente de Beatrice, os dois correm para a rua e flagram seus filhos discutindo.

Beatrice tenta se fazer de vítima ao pai que não acredita na filha, e ajuda Edgar por estar ferido, ele retira seu cinto e quando vai bater na filha, sua mãe Dandara intervém e diz que irá disciplinar a neta.

Eliane conhece Mari, e cuida do arranhão que Bento teve no braço pela queda, a garota de cabelos escuros, acaba demonstrando certa preocupação com ele, o que deixa lisonjeado.

De volta à mansão Collet, Fernanda e Humberto discutem sobre o que farão a respeito de Beatrice, e seu comportamento mimado, a sogra Dandara, diz que irá disciplinar a neta.

Na cidade, mais necessariamente, na sorveteria, Mari e Bento divertem-se, tomando sorvete juntos acabam por cada vez mais se entregarem a está paixão, que está ganhando forma entre os dois.

Dandara vai até o quarto de Beatrice, a neta se recusa a ouvir a avó que irritada a leva pelo braço, a sala, ao descer as escadas, a lourinha tenta se soltar da avó e acidentalmente, empurra-a escadaria abaixo.

 

Capítulo 004 “Ingenuamente”

 

Com uma expressão maquiavélica, Beatrice desce as escadas, segurando-se pelo corrimão e constata a morte de sua avó, quando Humberto vê a mãe caída no chão, acaba por se desesperar e se desmantelar em lágrimas.

Fernanda chacoalha sua filha exigindo saber o que aconteceu, a garota pede calma da mãe, e diz que sua avó desequilibrou da escada e acabou caindo sozinha, nisso Zena e Mari chegam à sala de estar, e ao encontrar a velha amiga de vida, a empregada da uma bofetada em Beatrice e diz que ela assassinou a própria avó.

Mari chocada ao ver o corpo de Dandara estirado ao chão acaba deixando a mansão, ela vai ao hotel de Cora, e acaba por conta tudo o que ouve para Bento e Eliane, a mulher misteriosa decide que a garota de cabelos escuros volte à mansão, para dar suporte e conforto para sua avó.

Humberto não acredita em Beatrice, e pede que Fernanda mantenha a filha longe dele.

Depois de toda a dor da tragédia, ocorre o funeral e enterro de Dandara, a família assim, como Zena e Mari, se derribam em lágrimas, a empregada presta sua última homenagem à amiga, e assim a matriarca da família Collet, é enterrada.

Os dias vão se passando, Mari e Bento cada vez mais próximos, os dois são dois jovens apaixonados, o rapagão escreve um romance idealizando a Musa de suas histórias.

Certo dia Bento acompanha Mari até a mansão, os dois trocam carícias na entrada da mansão Collet, no alto de seu quarto, Beatrice observa os pombinhos, e decide que terás a ela Bento.

Zena observa uma fotografia de Mari e Beatrice bebês, e nesse meio tempo Edgar também observa e diz se lamentar pelo segredo da origem das duas, for mantido no esquecimento.

Eliane volta ao banco e consegue um emprego, de secretária pessoal de Humberto, os dois comemoram o emprego com um brinde.

Mari, Bento vão à escola, Beatrice segue os dois às escondidas, até que percebe que os dois se separam, a garota vai à biblioteca, enquanto o aspirante de escritor segue até a quadra de esportes.

Após sair do banco, dois homens de moto perseguem Eliane, ela anda correndo aos passos largos, até que consegue chegar ao hotel de Cora, a hoteleira percebe a aflição da secretária, e acaba por não descobrir as informações.

Beatrice agarra Bento, a lourinha abraça-o fortemente, e ele tenta solta-la. A malvada diz que irá gritar, e o culpar nisso rouba um beijo forçado dele, neste momento, Mari procura por seu amado, ao flagrar o beijo roubado, ela fica desnorteada e fica paralisada, observando-os.

 

Capítulo 005 “Como se aproveitar da dor”

 

Ao perceber que Mari, observa os dois, Bento joga Beatrice ao chão, e corre atrás de sua amada que segue rumo a saída do colégio, a garota de cabelos escuros é quase atropelada, e recusa-se a falar com o escritor.

Beatrice ao chão, rola de um lado para o outro rindo de tudo o que ocorrerá, ela diz a si mesma, que terá Bento para ela.

Mari, para na praça para ouvir Bento, o garoto explica que Beatrice roubou um beijo seu, e que não foi de propósito, ela retruca dizendo estar confusa e que precisa um tempo para pensar.

Anoitece, quando Beatrice chega em casa, ela humilha Zena que observa as fotografias antigas, a garota mimada, reconhece uma foto de quando  ela era bebê, ao lado de Mari, pressionando a velha empregada, a avó de Mari, acaba por confessar, que as duas garotas são irmãs, por parte de pai,  já que Humberto se envolveu com a filha da empregada, a garota fica furiosa.

Zena comunica para Fernanda que a filha acaba de saber o grande segredo da família, a dondoca fica desesperada já que a filha se tranca no quarto, ao conseguir abrir a porta, reclama por o comportamento da garota, que diz que não confia mais em ninguém.

Quando chega do banco, Humberto e Fernanda conversam com Beatrice, o banqueiro afirma que se envolveu com a filha de Zena, e acabou tendo uma filha com ela, Mari e que Fernanda o perdoou, a garota revoltada, não aceita que Mari é sua irmã, e expulsa todos de seu quarto. 

Mari tenta entender o que está acontecendo, mas Zena e Humberto a desconversam, a garota observa a lua pela janela do seu quarto.

Cora percebe a entrada de dois homens estranhos no hotel, os dois seguem até o quarto de Eliane e arrombam a porta, quando sacam suas armas para atirar, em Bento, a mãe se joga na frente do filho e é morta a fuzilamento, os assassinos fogem do hotel.

Humberto é o primeiro a saber da morte da sua secretária, e vai até o hotel amparar Bento, Beatrice decide ir junto, vendo uma oportunidade de se aproximar do garoto.

Todos se solidarizam com Bento, que acaba por ter a mãe assassinada, Beatrice fica abraçada com ele, e de longe Mari o observa.

Depois de todas as burocracias, Eliane é levada para ser enterrada em Curitiba, Agildo e Pérola, tios de Bento, dizem que se mudarão para Machadiana, para morarem com o sobrinho Bento, o escritor tenta entender o porquê não pode voltar para Curitiba.

Mari, chega no hotel e conversa com o seu amado, e reclama pela aproximação de Beatrice para cima dele, os dois discutem, o garoto afirma que sua rival o apoiou no luto de sua mãe, enquanto Mari retruca que não se aproximou para não brigar com ela, durante o velório.

Beatrice, interrompe, os dois, e diz que está apaixonada por Bento, e que ele quer ficar com ela, o garoto, nega, mas acaba deixando o beijo entre os dois acontecer na frente de Mari, que sai desolada do local.

Bento, fica sem reação, e enquanto isso, Mari volta para a mansão, determinada a deixar a cidade.

Enquanto arruma suas coisas, Mari é surpreendida por Beatrice, que aparece em seu quarto para conversar.

 

Capítulo 006 “Tchau, querida”

 

Beatrice manipula Mari, ao afirmar que ela é uma intrusa em sua vida, e que a garota, filha dos empregados, foi a principal causadora de todas as suas amarguras em vida, continua a dizer que ela jamais poderá ficar com Bento já que os  dois são de classes distintas, e que ele apenas se divertiu com ela, e que ela sempre foi um peso, desde seu nascimento para a própria avó cuidar dela.  Mari fica tonteada com tudo o que a sua rival despeja. Por fim Beatrice sugere que Mari vá embora de Machadiana.

A garota de cabelos escuros decide fugir, Beatrice diz que irá ajuda-la. A garota rouba dinheiro que seu pai em quadro falso e entrega para Mari, que junta poucas peças de roupa, e o dinheiro guardando em uma mochila.

Antes de deixar a mansão Collet, Mari promete a Beatrice que vai volta um dia para a cidade, ela segue escondida para Zena não atrapalhar sua fuga.

Mari segue a pé a rodovia, ela consegue carona com um homem, estranho, adentra o carro e vai embora.

Zena cai em choro ao encontrar a carta de fuga de sua neta, e condena todos da família, por deixarem a neta partir.

Bento descobre que Mari foi embora e fica iluso, Beatrice promete nunca abandonar ele, os dias se passam, Zena entra em um desgosto enorme pela partida da neta, enquanto Humberto não consegue localizar sua outra filha.

Depois de um tempo, Bento e Beatrice começam a namorar, os dois vãos ficando cada vez mais juntos, e o rapaz volta a escrever, o tempo passa e os dois ficam noivos, casam, e decidem viver juntos.

Bento consegue publicar seu primeiro livro, e faz sucesso, trazendo muitas pessoas ao lançamento de sua obra, na cidade de Machadiana.

Beatrice se especializa, na rede bancária, igual ao seu pai, a loura, comemora por ter destruído a vida de sua rival, ela sonha em ter filhos com Bento, já que se apaixonou por ele.

Agildo revela para o sobrinho que Eliane foi morta por credores de uma dívida que seu pai tinha em Curitiba, o escritor lamenta o que ocorreu.

Numa máquina, antiga de escrever, escondida, dentro de um fundo falso, de um guarda roupa, Bento as vezes, continua a escrever o romance “A Musa do Escritor “, idealizando a sua verdadeira musa de toda a sua vida, Mari.

Enquanto isso, ao chegar em Curitiba, a jovem fica admirada com todas modernidades que encontra, rodopia pelas ruas, e decide que irá mudar sua vida.

Os dias vão se passando, Bento está cada vez mais triste por ter se casado com Beatrice, ela cada vez mais egoísta pensa em realizar seus luxos, e enquanto Mari, sendo esperta ao usar sua sensualidade, consegue uma promoção no emprego de garçonete.

Muitos anos, depois, após uma década aproximadamente, Mari, segue em um conversível vermelho para Machadiana, no meio do percurso, ela passa próximo a cidade de Cantaga, de óculos escuros, com o som do carro tocando “Bloody Mary”, sente-se confiante ao retorno para casa.

 

Capítulo 007 “A tão esperada volta”

 

Morando em uma casa, que é conjunto com a biblioteca que Bento criou, ele reside com sua esposa Beatrice, gerente do banco de Machadiana, o escritor, estando em seu escritório, digita o seu novo texto, para seu novo livro.

Infeliz com a esposa, excêntrica, o escritor, não se esqueceu de Mari, e se arrepende por nunca ter a procurado.

Ao chegarem em Machadiana, Mari pergunta para Zé, um bêbado que fica na praça da cidade, sobre o que mudou na cidade, o alcoólatra afirma que tudo permaneceu parado no tempo.

Mari segue para a mansão Collet, e reencontra Humberto, Fernanda e Edgar, os três machadianos, surpresos com a volta da antiga garota de cabelos negros, questionam sobre onde ele esteve o tempo todo.

Bento atende a porta, e se da de cara com Zé que afirma o que sua amada voltou para a cidade.

Mari pergunta por Zena, os Collet, ficam um pouco receosos, e acabam contando para ela que sua avó faleceu de desgosto por nunca mais ter visto a neta.

Humberto questiona Mari, por ela ter roubado ele, e ela se defende dizendo que foi Beatrice que deu dinheiro para ela ir embora, e pergunta como ela conseguiu se sustentar em Curitiba, Mari afirma-se, que é dona de uma rede de restaurantes, que foi enriquecendo ao passar dos anos.

Humberto abraça Mari, e junto com Fernanda os três vãos ao cemitério no túmulo de Zena. Ela se emociona ao ver a sepultura da avó, ela deixa o cemitério e vai para o hotel de Cora, onde se hospeda.

Quando chega em casa, Beatrice fica curiosa para saber quem chegou em Machadiana, ao mencionar que foi Mari, Bento percebe a expressão da esposa onde a banqueira derruba seu copo com água ao chão, deixando-a furiosa.

Beatrice não revela aonde vai, e deixa a casa que mora com Bento, a loura chega no hotel de Cora.  E assim depois de muito tempo, Beatrice e Mari ficam frente-a-frente.

 

 

 

Capítulo 008 “Sem irmã”

 

Beatrice debocha de Mari, ao dizer que está casada com Bento, e a dona de restaurantes, está solteira, sem ele, as duas trocam pitacos, até que Mari desfere uma bofetada na rival, afirmando que não é mais a garota ingênua de anos atrás.

Bento adentra o quarto do hotel, e separa a briga das duas, o escritor e Mari, ficam paralisados, olhando um para o outro, não a como negar, Bento e Mari continuam se amando, o que deixa Beatrice preocupada.

A banqueira possessa, segue com seu marido embora, mas Mari a surpreende e diz que quer conversar com ela, antes da banqueira ir embora, onde apenas diz que terá o escritor novamente para ela. Mari ri do desespero de Beatrice e comenta com Cora, que mudou muito nesse meio tempo.

Beatrice e Bento brigam, o escritor afirma que irá dormir na sua biblioteca, e deixa a loura ainda mais furiosa, que volta atrás, mas o escritor está determinado.

Antes de dormirem, na mansão Collet, Humberto pensa em assumir que é pai de Mari, Fernanda o apoia, já que Beatrice cortou relações com os pais depois de casar com Bento.

Na Biblioteca, o escritor, pega um livro nas prateleiras, ele aciona um mecanismo, que abre um fundo falso, que tem guardado muito dinheiro, ele observa sua riqueza, sem perceber que Beatrice o observa escondida.

Cora pergunta para Mari, o motivo dela ter voltado, e recebe como resposta, que voltou para retomar sua verdadeira vida, sem ter medos se realizar o que quer.

Beatrice diz a si mesma que precisara se livrar de Mari, cansada a loura desmaia em sua cama, sem seu marido ao lado.

Amanhece, Mari estonteante, acorda e vai ao bar de Ezequias, ela propõe reformar o local, e tornar o ambiente mais atrativo para turistas na cidade.

Beatrice vai falar com Bento, e se surpreende ao ver que o marido voltou a escrever, ela pede perdão e é aceito, ao afirmar que estás inspirado, Beatrice entende que a inspiração dele, é por conta da volta de Mari.

Edgar encoraja Humberto ir falar com Mari, o motorista leva o ex-banqueiro debilitado ao hotel que a filha está hospedada. Enquanto Edgar e Cora namoram na varanda do hotel.

Beatrice comunica ao banco que terá que ir para Cantaga, fechar negócios com uma fazendeira da região, a loura guarda em sua bolsa uma tesoura.

Mari volta ao hotel, e encontra Humberto sentado em sua cama, o senhor é direto e revela que é pai dela, neste mesmo momento, Beatrice abre a porta do quarto com a tesoura em mãos.

 

Capítulo 009 “O que impera?”

 

Rapidamente sem que Humberto e Mari percebam, Beatrice esconde a tesoura novamente me sua bolsa.

Mari perplexa questiona o porquê Humberto revelou ser seu pai apenas agora, enquanto Beatrice diz que sua rival não ficará com nada da herança.

Humberto e Mari expulsam a loura do quarto de hotel, e voltam a conversar, a filha diz que está tentando perdoar o pai, mas precisa de tempo, já que ele nunca ajudou, sua avó, no seu período da infância.

Beatrice reclama a si mesma, por não ter conseguido se livrar de sua rival, ela dirige para a casa, e quando chegar, ela tenta ficar com seu marido Bento, mas é rejeitada, deixando-a cada vez mais irritada.

Mari pede que Humberto vá embora, e que logo pelo amanhã os dois irão conversar, quando chega na mansão, comenta a conversa que teve com a filha para Fernanda, ela diz que logo irá ser aceito.

Bento consegue o contato de Mari, e troca mensagens com ela, os dois combinam de sair na madrugada, enquanto Beatrice se embriaga sozinha.

Bento e Mari se encontram na praça de Machadiana, os dois tímidos um com o outro começam a falar sobre o período a que terminaram, e acabam brigando e indo embora sem se despedirem.

Alguns dias depois, o casamento de Beatrice e Bento está cada vez mais se desmantelando, ela se embriaga constantemente e tem interesse em se livrar de Mai, um certo dia após uma noite de bebedeira, Beatrice acorda de ressaca e decide se livrar de vez de Mari, a loura abandona a tesoura e pega uma arma, ela segue atrás de sua rival.

Antes de sair de casa, encontra um bilhete de Bento, dizendo que foi a uma convenção de livros, em Curitiba.

Mari acorda, marca uma fala com Humberto no bar, ela decide ir atrás de Ezequias para fechar o seu acordo, para a transformação do bar em restaurante, ela segue a pé para o bar.

Beatrice pega seu carro, e segue Mari, ao avistar ela saindo do hotel, a imobiliza com a arma, golpeando-a, faz com que a dona de restaurantes desmaie, a loura coloca sua rival dentro do carro, e segue para a área rural de Machadiana.

Humberto que está no bar de Ezequias, estranha a demora de sua filha, e decide ir atrás de Bento.

Mari acorda com Beatrice apontando uma arma para ela, a loura envia uma falsa mensagem de suicídio de Mari, para Bento, que se desespera ao ler o conteúdo.

Bento liga para Humberto e o alerta sobre a mensagem suicida de Mari, o escritor menciona que sua amada cita na mensagem que está próximo a uma chácara da família Collet.

Bento abandona a convenção e volta desesperado a Machadiana.

O ex-banqueiro dirige com seu carro, atrás de evitar o suposto suicídio da filha.

Beatrice chega a uma plantação de milho que pertence aos Collet, obriga Mari descer do carro, quando saca a arma para atirar em sua rival, Humberto se atira na frente de Mari, e sem tempo de parar, Beatrice atira no próprio pai.

 

Capítulo 010 “Como em um bom romance”

 

Humberto percebe que estas prestes a morrer, mas antes pede o perdão da filha Mari, que aceita sem pensar duas vezes, o ex-banqueiro, morre nos braços da filha que nunca assumiu.

Beatrice mostra toda sua malvadeza, ao comemorar para si mesma que está preste a receber a herança de que lhe é direito, ao apontar a arma para Mari, sua irmã joga pedras contra ela, que derruba o revólver no chão.

As duas começam a se estapear, desferindo muitos tabefes, Beatrice percebe que estão próximas a um rio, e empurra com toda a sua força sua rival e irmã, que é levada pela correnteza.

Beatrice acredita que Mari morreu, a loura maquiavélica, coloca a arma próxima do corpo de Humberto, e forja a cena do crime, para que todos acreditem que Mari pulou no rio, e o ex-banqueiro se suicidou com um tiro no peito.

A banqueira, diz que nunca irá esquecer todas as vezes que ele não realizou seus gostos, ela deixa o local em seu carro e volta para a casa.

Mari luta para salvar sua vida, segurando-se em uma raiz de uma árvore, enquanto Bento dirige para a cidade.

Beatrice volta para sua casa, e percebe que seu marido deixou seu escritório aberto, ela adentra ao local, e encontra a antiga máquina de escrever com as páginas de um romance dedicado a Mari, furiosa ela lê as páginas em que o marido confessa que nunca deixou de amar a rival.

Beatrice liga para Bento e implora que ele a ajuda em casa, inventa uma história de que se feriu durante o banho, o que atrai o escritor para a casa.

Mari consegue se salvar, ela consegue sair de dentro da correnteza, e volta para o corpo de Humberto, e chora ao perceber o pai morto.

Quando Bento abre a porta de sua casa, Beatrice coloca fogo nas páginas do romance que o escritor passou mais de 10 anos escrevendo, o que deixa desesperado tentando apagar as chamas, faz com que ele tenha queimaduras profundas.

Enquanto isso sua esposa rouba a chave da biblioteca, e segue para o local.

Agildo socorre o sobrinho, e com Pérola chamam uma ambulância que leva Bento em estado gravíssimo ao hospital, os tios revoltados percebem que Beatrice está em casa e a procuram.

Beatrice, adentra a biblioteca, ela vai até as prateleiras que Bento guarda dinheiro, e tenta abrir o mecanismo da prateleira com os livros, por estar emperrado ela não consegue abrir e ao chacoalhar, muitas vezes a trava, faz com que as prateleiras de livros, caiam, nisso, uma destas acerta em cheio, e a loura morre esmagada.

Agildo e Pérola ficam chocados ao perceber uma poça de sangue escorrendo em volta das prateleiras caídas.

No hospital Bento, não tem reações com a cirurgia, o médico avisa a seus tios que ele ingeriu muita fumaça, e que talvez não irá sobreviver.

Mari consegue voltar a pé a Machadiana, ela revela que Humberto foi morto pela própria filha, Beatrice, para Ezequias, o dono do bar comenta que Bento está ferido no hospital, o que a deixa desesperada e corre atrás de seu amado.

No quarto do hospital ,Bento tem uma parada cardíaca, tudo a sua volta vai escurecendo, a morte está chegando para o escritor, nisso, Mari chega ao hospital e procura pelo amado, ao entrar no quarto em que está, o bip da máquina de demonstra os batimentos cardíacos de Bento, apenas fica com um seguido, mostrando que ele está sem vida, Mari se aproxima do amado, e o beija, segurando firme em sua mãos.

Tudo se apaga, e novamente o bip da máquina dos batimentos cardíacos de Bento volta a bater.